Sejam Bem-vindos
ao nosso Portal de
Notícias

Disfagia: Uma condição que merece a sua atenção!

Com o envelhecimento, diversas mudanças fisiológicas vêm surgindo, o que acaba por afetar diversos mecanismos do nosso corpo, incluindo a deglutição.

No geral, essas mudanças vão acontecendo gradualmente, podendo até mesmo ser silenciosa e muitas vezes passar despercebido. Assim muitas vezes a pessoa idosa acaba se adaptando com essa mudança, colocando muitas vezes um sério problema de lado.

Quando essas mudanças, por mais pequenas que sejam, se associam a comorbidades já existentes, o paciente entra no grupo de risco para o surgimento da disfagia e desnutrição.

O que é disfagia?

A disfagia é a dificuldade de deglutição ou dificuldade para engolir. Existem dois tipos principais de disfagia, que são diferenciados pela sua localização e por seus mecanismos fisiopatológicos. Sendo que os dois tipos são: disfagia orofaríngea e disfagia esofagiana.

Os dois tipos são causados por alterações que atingem a cavidade bucal e a faringe (região da garganta). Esses tipos de disfagia são mais comuns em pessoas idosas e seu surgimento pode estar associado a causas neuromusculares, como sequelas de um AVC, Doença de Parkinson, Doença de Alzheimer, alguns tumores e várias outras.

A disfagia gera uma alteração no trajeto do alimento da boca até o estômago, o que faz com que os líquidos e a saliva possam desviar o seu trajeto e chegar até os pulmões, levando a uma pneumonia e gerando um sério risco de morte.

De acordo com Luciane Teixeira Soares, presidente do departamento de Gerontologia da SBGG – SP (2016-2018) e vice-coordenadora do Comitê de Disfagia Neurogênica Adulto do Departamento de Disfagia da SBFa. “A disfagia na pessoa idosa é multifatorial, mas a gente tenta entender quais são as causas, como podemos estabilizar aquele fator que está levando a pessoa a tornar-se disfágica e trabalhar a consistência do alimento, adaptar volume, fazer exercícios para ganhar força e mobilidade, para melhorar a coordenação, para que possa fazer uma deglutição segura”, explica ela.

Como consequência dessa dificuldade para engolir temos a desnutrição, desidratação e pneumonia aspirativa, responsável por cerca de 50% das mortes de idosos.

A importância do diagnóstico precoce

O diagnóstico precoce dessa condição é extremamente importante para a prevenção das consequências e para tratar essa condição e manter a pessoa idosa saudável. Muitas vezes esses sintomas são ignorados ou até mesmo confundidos com outras doenças, deste modo, você deve estar sempre atento aos seguintes sinais:

  • Tosse;
  • Engasgo;
  • Demora para se alimentar;
  • Deixar de consumir alimentos que podem ser difíceis de engolir.

Esses sintomas não fazem parte do processo natural do envelhecimento, por isso, se eles se apresentarem fique atento, eles podem indicar a presença da disfagia.

Essa condição deve ser tratada por uma equipe multidisciplinar, composta por médicos, fonoaudiólogos, nutricionistas e enfermeiros, já que cada um irá contribuir de uma maneira para o tratamento do seu ente querido

Se você cuida ou convive com uma pessoa idosa que apresenta esses sintomas, procure imediatamente um médico ou uma clínica que ofereça todos esses serviços. Se você for de Mogi das Cruzes, você pode vir até nós, possuímos uma equipe multidisciplinar com todos os profissionais que você precisa. Venha conferir!

Referências:

https://sbgg.org.br/dia-nacional-de-atencao-a-disfagia-2/

http://www.sbmdn.org.br/disfagia/

Portal de Notícias Lótus